.

.
Imagem da reflejosdeluz.net

domingo, 16 de agosto de 2015

O CHEIRO DO MUNDO


Lélio Costa e Silva

Caminhando pela manhã, percebo que amanheci pensando atravessado. Observo que as pessoas passam cabisbaixas, outras cheias de si, na falta de sentido. Onde estão todos? Quem disse que a solidão não dá passos? Nem tropeça? Por que não mais nos reconhecemos no outro? Atropelos, sofrimentos e perplexidade? Esquecemos a música primordial?
Aguço o olhar procurando a divindade que habita em cada ser humano. Se somos irmãos, por que tanto estranhamento? Triste de nós que rejeitamos até o cheiro do próximo que, inadvertidamente, se aproxima ou nos esbarra. Passo diante de uma igreja e penso que paradoxalmente até para conversamos com Deus nos dividimos em religiões diferentes. Cada um com seus livros sagrados, melhor roupa e banho tomado, mas separados em dogmas e preconceitos. Como será que Ele vê isso?
Entro em uma padaria. Sou recebido por um obediente cão próximo ao seu dono que nem me enxerga. Enquanto isso recebo uma afetuosa e quente lambida do animal em minha mão.
Hoje fiz o meu passeio essencial.

“Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, Eu estarei entre vós”
(Mt 18,20)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas