.

.
Imagem da reflejosdeluz.net

sábado, 31 de dezembro de 2016

DIA DA ESPERANÇA




Terminar o ano no dia da esperança é muito significativo. Quer dizer que encerramos um tempo, já pensando com otimismo no próximo.
A esperança é própria do ser humano: acreditamos no que vai vir porque sabemos que vai vir. E esperamos sempre o melhor: ninguém espera uma catástrofe, uma tragédia, uma coisa ruim, mas dias melhores, condições melhores, situações mais humanas, mais justas, mais felizes.
Todavia, lembrava um verso antigo (dizem que é português) que “Entre a esperança e a saudade/ uma paralelo se faz:/ de esperar você se cansa,/ de ter saudade jamais”. Isso dá o que pensar, sobretudo, se acrescentarmos um provérbio bem popular: “Quem espera come frio”. Poesia e sabedoria popular (porque os ditos são inúmeros) insistem num fato: ter esperança não significa esperar que as coisas aconteçam por conta própria, mas fazer a nossa parte (e, às vezes, até a dos outros que nada fazem) para que a esperança se instale e viva entre nós.
A esperança é uma virtude e, como tal, precisa de espíritos fortes (a palavra virtude tem “força” [vir] em sua composição) e corajosos que a desenvolvam. E quem tem esperança sabe o quanto é difícil convencer quem não tem. Esperança, talvez, não deva ser confundida com otimismo, porque seria pouco, porque nem sempre podemos ser otimistas, mas podemos sempre ter esperança.
O símbolo da esperança é uma âncora porque a âncora dá segurança, salva. Seria interessante se pudéssemos ser como as âncoras que, discretas nas embarcações, estão sempre ali para dar um suporte, uma força, uma segurança. Sem esquecer que uma âncora só desempenha seu papel se mergulhada na profundidade. Não há âncoras superficiais.
E que o novo ano seja repleto de muita e santa esperança. 

Fonte: www.joaodefreitas.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas